Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

cuida-te bem

A chave para resolver muitas situações do dia-a-dia como uma gripe, insónias ou a falta de ânimo pode estar à nossa volta: a Natureza. Com a Natureza podemos cuidar da casa, da saúde, da beleza sem segredos.

cuida-te bem

Falta de Vitamina A pode causar: Hiperqueratose folicular

Cópia de Vitamina (6).png

 

A Hiperqueratose folicular (ou hiperceratose pilar) caracteriza-se pelo aparecimento de pequenas pápulas que, apesar de frequente, é uma condição cutânea benigna.

Existe produção excessiva de queratina, nos folículos capilares, o que leva ao espessamento da camada córnea (parte mais exterior da epiderme composta por queratina e células mortas) ao nível dos folículos originando pápulas elevadas em forma de cone. As aberturas são frequentemente fechadas com um tampão de sebo incrustado o que resulta em pequenas bolhas vermelhas, acastanhadas ou brancas, ligeiramente endurecidas que impedem a natural libertação das células mortas da pele.
 
Pode aparecer em qualquer parte do corpo, mas o mais frequente é na zona superior dos braços, coxas e nádegas. 

 

 

Causas

A Hiperqueratose folicular surge devido a alterações genéticas que condicionam o aumento da produção de queratina ao nível do estrato córneo da pele.

A deficiência de Vitamina A também pode causar Hiperqueratose folicular.

Outros fatores parecem influenciar o aparecimento da Hiperqueratose folicular, como a utilização de roupa justa, a pele desidratada e a existência de base de uma patologia autoimune. Está também associada a doenças alérgicas como a dermatite atópica e a rinite alérgica.

 

 

Sintomas

A Hiperqueratose folicular pode ser identificada pelo aparecimento de pápulas avermelhadas, acastanhadas ou esbranquiçadas na pele, levemente endurecidas, principalmente nos braços, pernas, nádegas ou bochechas, sendo também observado que no local em que aparecem a pele pode estar mais ressecada e áspera.

As pápulas não causam prurido, dor ou desconforto tendo apenas implicações estéticas.

De uma forma geral, costumam aparecer no final da infância e início da adolescência e desaparecem espontaneamente entre os 20 e 30 anos.

 

 

Tratamento

Pode ser tratada com cremes que contêm ureia e o ácido salicílico, que se dissolvem na matriz intercelular das células do estrato córneo promovendo a descamação da pele e eventualmente resultando em áreas de amolecimento.

Enriquecer a dieta com alimentos ricos em ácidos gordos, Vitamina E, Vitamina A e Vitaminas do complexo B.

 

Etiquetas (200 × 50 px).png

 

Fonte imagem: https://bit.ly/3rNCXfr

 

⚠️ Este post tem caráter meramente informativo. Não dispensa a avaliação por um profissional de saúde.